Home Quem Somos? História da Música Fale Conosco

 

GABRIEL SATER

 

Gabriel Sater nasceu em São Paulo/SP, em 27 de novembro de 1981.
Desde sua infância, sempre esteve imerso no universo cultural da música da qual faz parte a família do pai, o violeiro Almir Sater. A erudita avó paterna, além de pianista, é apaixonada por culturas, povos e línguas. O avô paterno era o organizador de esperadas e tradicionais festas em sua casa no Mato Grosso do Sul, nas quais a música paraguaia, argentina, pantaneira e folclórica predominavam. Do pai, Almir Sater - que chegou a afirmar: “Não sou sertanejo. Eu sou roqueiro” - herdou o gosto pelo universo do rock, blues e folk. Eric Clapton, Bobby Dylan, Dire Straits, Jethro Tull e outros, estavam sempre presentes nos momentos de convívio de pai e filho. Além disso, Gabriel sempre estava às voltas com algum rádio, em que tocasse os pagodes de viola caipira, o samba, MPB e Jazz, ou ao alcance de seus tios, Rodrigo Sater e a cantora Gisele Sater, em rodas de violão e cantorias.
Desde sempre imerso nesta dicotomia – moderno e tradicional – mas absorvendo de tudo um ‘muito’, Gabriel se manteve apenas como expectador e admirador deste universo até seus 14 anos, quando optou por deixar a platéia e iniciou seus estudos musicais com o professor Paulo Gê. Neste começo, Gabriel que até então apenas arranhava uns acordes puramente curiosos, aprendeu o básico do violão, seu instrumento primeiro, tendo Eric Clapton como referência e com a intenção de reproduzir solos e improvisações de blues, tocar músicas de seu pai e se aprofundar nessa linguagem tão única que é a música regional do Mato Grosso do Sul, que se caracteriza por ser fortemente impregnada da cultura castelhana, dos ritmos da polka, chamamés e guarânias.
Gabriel estudou com Paulo Gê por 2 anos. Após este período, fez um breve curso de teoria musical com Antônio Porto e em seguida foi concluir os estudos do ensino médio nos EUA, onde morou durante 1 ano.
Nos EUA, Gabriel continuou a estudar violão sozinho e a ouvir os artistas que já amava. Quando, em certo momento, comprou o álbum “Friday Night in San Francisco”, de Paco de Lucia, Al di Meola e John McLaughlin. Este, considerado como um dos mais influentes trabalhos violonísticos já realizados, fez o jovem Gabriel repensar sua perspectiva sobre a música e refletir sobre sua limitação técnica até então como violonista. A qualidade técnica, a virtuose, os arranjos incríveis e o estilo fusionado da improvisação do jazz com o tradicionalismo flamenco, cativaram definitivamente o estudante que passaria seus últimos meses no exterior, totalmente aficionado a este ‘evento’ da música instrumental mundial.
Gabriel Sater, de volta ao Brasil em meados de 1999, logo busca um professor que possa saciar a enorme ansiedade, que trouxe na bagagem, por novos conteúdos, técnicas avançadas ao violão e vontade de compor. Cristiano Kotlinski, maestro gaúcho, e um dos violonistas eruditos expoentes de sua geração, torna-se o mestre que Gabriel Sater buscava, e a quem até hoje recorre para continuar a aprender e a se aperfeiçoar como instrumentista.
Com Cristiano Kotlinski, Gabriel aprofundou seus estudos de harmonia, improvisação, ritmo, leitura e escrita musical, arranjo, composição, teoria e história da música. Também se dedicou à dominar a linguagem e técnica da música clássica brasileira e latina, além de se apaixonar por um estilo que até então não conhecia... o choro. Essa escola da música instrumental brasileira arrebatou Gabriel Sater, e os repertórios de Garoto, Dilermando Reis, Rafael Rabelo e Baden Powell, passaram a ser obrigatórios em sua rotina de estudos.
Antes do fim de 1999, dois acontecimentos despertam em Gabriel a vontade de assumir uma carreira na música: Gabriel Sater se inscreve no “X Festival Universitário da Canção”, de Campo Grande/MS, com o arranjo da canção “Luz do Querer”, de Fernando D ’Andrea e leva o 3° lugar, e ainda conhece o virtuose Yamandu Costa. A densidade dos estudos com Cristiano Kotlinski, somados a enorme admiração de Gabriel pela capacidade técnica de Yamandu, e ainda uma primeira e feliz participação em um festival musical, definitivamente o encorajaram a abandonar planejamentos e inseguranças em meados de 2000, e a partir daquele momento decidir seguir a carreira musical.
Neste momento, totalmente apoiado por seu pai, Gabriel mergulha de cabeça nos estudos e composições, e passa a se envolver ativamente no mercado fonográfico sul mato-grossense, tocando com artistas de peso e formando parcerias com novos talentos. E toda essa dedicação tem retorno rápido, pois no final do ano 2000, Gabriel recebe 4 premiações no “XI Festival Universitário da Canção”, sendo elas o 1° lugar com a apresentação de “Mantras do Mar/Reflexo das Águas” (Fernando D’Andrea e Gabriel Sater), além do prêmio de melhor música e 3° lugar com a apresentação “Noites Pantaneiras” (Fernando D’Andrea e Gabriel Sater), juntamente com o prêmio de melhor letra.
Em 2001, Gabriel cogita a possibilidade de voltar ao exterior para estudar música, em alguma faculdade, mas pondera os prós e os contras de deixar o país num bom momento de sua carreira, visto que já vinha trabalhando em inúmeros shows e eventos no MS, além de que, seu professor Cristiano Kotlinski, tem absoluto domínio sobre a linguagem e técnica que mais o interessava como artista e violonista.
Em maio de 2002, quase 2 anos após decidir seguir a carreira como músico, Gabriel estréia seu primeiro show como artista solo, apresentando repertório autoral de canções e temas instrumentais, além do repertório tradicional de músicas regionais do MS, todas com novos arranjos e com a marca de sua personalidade.
Neste mesmo período, em que começa a se apresentar como artista solo, Gabriel também integrou o grupo musical sul mato-grossense ‘Jerry Espíndola e Croa’, chegando a gravar e excursionar pelo Brasil, o álbum “Polca Rock”, com repertório que mesclava os ritmos regionais tradicionais como a polca, o chamamé e a guarânia, com os modernismos do rock, do jazz e do reggae. Gabriel deixou o grupo em 2005 e dedicando desde então exclusivamente a carreira solo.
Em 2003, Gabriel recebe mais 2 premiações com seu trabalho solo, desta vez no “4º Festival Americanta”, sendo o 1º lugar geral no evento e 1º lugar na “Mostra Paralela do 4º Americanta”, eleito pelo júri e público.
Toda responsabilidade, que Gabriel coloca sobre si mesmo, no rendimento de seus estudos, dedicação às composições e aperfeiçoamento como performer, logo se frutifica e torna-se o embrião de um primeiro CD. Esse projeto foi apresentado ao edital do FMIC/MS em 2004 e se concretizou com o lançamento do CD “Gabriel Sater Instrumental” no começo de 2006. Neste CD, Gabriel, que então sentia seu trabalho como compositor/instrumentista mais maduro, do que seu trabalho com canções, selecionou e interpretou temas instrumentais de identidade sul-matogrossense e que falam a linguagem da música regional da bacia platina, imprimindo em todas as faixas, seu talento como arranjador e sua apurada técnica ao violão (... que por vezes se impõem enérgica como um ‘turuniño’, e por outras plácida... como as águas da vazante)
No mesmo ano do lançamento de seu primeiro CD, Gabriel é convidado a participar do Projeto Gerações do produtor Márcio de Camillo, patrocinado pela Petrobrás, que reuniu 3 gerações de músicos, cantores e compositores do MS, numa intercâmbio de gravações que promoveu a singularidade dos ritmos compõe cena musical sul matogrossense. Ao jovem Gabriel Sater, expoente da geração de jovens talentos, coube a tarefa, acompanhado de seu tio Rodrigo Sater, de rearranjar e gravar a música “Doma” de seu pai Almir Sater.
Nos anos seguintes, Gabriel trabalhou cada vez mais na divulgação de seu CD e de sua música instrumental e se aprimorou nas composições de canções, sempre em parceria com letristas talentosos.
Em 2007, levou o 2° lugar, no “Festival Botucanto Instrumental” com a música Turuniño. Neste mesmo ano firmou uma importante parceria no circuito da 7ª arte, com o cineasta carioca Marcelo de Paula, que passou as utilizar as músicas de Gabriel como trilhas em seus filmes, que retratam estudam a natureza e a antropologia cultural.
Em 2008, Gabriel seguiu para a Europa, convidado pelo Comitê de Turismo do Mato Grosso do Sul, para realizar vários shows representando a música sul mato-grossense, durante ROAD SHOWS que buscaram promover o Pantanal sul mato-grossense como importante destino turístico mundial. Neste mesmo ano é indicado pelo Prêmio Dynamite da Música Independente, em São Paulo/SP, como destaque regional do ano.
Desde o começo da carreira, Gabriel que sempre cantou, buscou aperfeiçoar cada vez mais sua técnica vocal e suas composições de canção, buscando sempre parceiros letristas que o complementassem como artista e poeta.
Em meados de 2008, surge a oportunidade de apresentar ao edital, de âmbito nacional, do “Prêmio Produção Pixinguinha – FUNARTE”, o projeto de um novo CD, desta vez mesclando o seu tradicional requinte dos arranjos instrumentais, com letras que celebrassem a vida, os sonhos, o amor, a natureza, a amizade e acima de tudo comprometimento social. Este projeto foi aprovado, Gabriel o produziu ao longo do ano e lançou o CD “A Essência do Amanhecer” em fins de 2009. Ao mesmo tempo, Gabriel se preparava para as gravações do DVD “Tributo à Elpídio dos Santos”, projeto do Instituto Elpídio dos Santos, em parceria com a TV Bandeirantes, que buscou registrar e promover para todo o Brasil, a obra do maestro e compositor Elpídio dos Santos, mestre do cancioneiro caipira do Vale do Paraíba e o compositor oficial das trilhas dos filmes de Amácio Mazzaropi. Gabriel, convidado por ‘Negão’ dos Santos – filho de Elpidio -, integrou a banda oficial do DVD, por ter amplo conhecimento e domínio sobre a obra e linguagens musicais abordadas neste trabalho.
Em dezembro de 2009, Gabriel recebe ainda o Prêmio Magnífico de Destaque na Música Regional Brasileira, promovido pela classe jornalística de São Paulo.
De lá pra cá, sempre trabalhando muito, com seus shows de canções e/ou instrumentais, Gabriel mantém firme a postura de seu trabalho musical, que tem como fundamentos básicos a sensibilidade cultural e a visibilidade e valorização dos reflexos da música caipira, regional e latinoamericana – raízes de quase todos... senão de todos - nas produções contemporâneas, das mais diversas e expressivas linguagens dentro cenário atual da música brasileira.
E seguindo nesta trilha, alguns anos depois, Gabriel já com mais maturidade musical, mais desenvoltura e muitas composições novas, nos apresenta INDOMÁVEL, seu novo CD lançado em abril de 2014, ao mesmo tempo em que se lança como ator e violeiro – apenas aos 32 anos decidiu que, definitivamente, a viola também faz parte de sua vida e música. Neste trabalho Gabriel buscou novos parceiros letristas, que espelhassem a sua perspectiva sobre a simplicidade e verdade com que acredita ser importante viver. Luiz Carlos Sá, da dupla Sá e Guarabyra, chegou neste momento, para, a par da diferença de gerações das quais fazem parte, se conectassem de tal forma, que em menos de 1 ano, e pouco se encontrando, produzissem um já vasto repertório de sucessos.
No ano de 2014, Gabriel Sater fez sua estréia oficial como ator, escolhido em razão de sua habilidade como instrumentista e cantor, e claro por sua beleza, por Luiz Fernando Carvalho, diretor geral da ‘novela-fábula’ Meu Pedacinho de Chão, da TV Globo, escrita por Benedito Ruy Barbosa. A novela se tornou imediatamente um grande sucesso, por sua construção estética totalmente moderna e lúdica, ainda que se tratasse de uma novela com temática rural. Gabriel Sater interpretou o violeiro cigano andarilho Viramundo e agradou à crítica, elenco e público, chegando a receber nota 10 de renomado críticos de novelas e sendo eleito o galã favorito de toda a trama.
A atuação em Meu Pedacinho de Chão rendeu indicações e convites a outros trabalhos de atuação, incluindo no teatro. E assim em meados 2015, Gabriel Sater foi escolhido para protagonizar o primeiro musical sertanejo produzido e lançado no Brasil... Nuvem de Lágrima – O Musical!! Sucesso de público e crítica, o musical foi eleito por pesquisa da Folha de São Paulo, como o melhor musical do ano de 2015 pela escolha do público.
Também em 2015, Gabriel Sater em parceria com o produtor e músico João Gaspar, fizeram a produção musical e artística, arranjos e gravações da canção Nós Dois, lançada pela cantora Layla (Universal Music), que integrou a trilha sonora e CD da novela Além do Tempo, da TV Globo. A música se tornou um grande sucesso na novela e nas rádio por todo o Brasil.
A obra musical de Gabriel Sater é forte, dinâmica e tem personalidade. O seu talento em compor, produzir e executar sua música nas mais diversas linguagens e plataformas, garante ao artista o ineditismo e a diversificação em suas ações musicais, que poucos artistas podem garantir ao seu público.

 

CONTATOS PARA SHOWS:
Indomável Produções Artísticas
Contato: Paula Cunha
E-mail: gabrielsater@gmail.com
Tel: ​(11) 97664-3797
Site Oficial: www.gabrielsater.com.br

 

 

Texto: www.gabrielsater.com.br

 

DISCOGRAFIA

 

CDs

 

 

GERAÇÕES - 2006 - INDEPENDENTE - AFCD700887
01) Quando me Espera Você - Guilherme Rondon e Murilo Antunes - com Celito Espíndola e Olho de Gato
02) Coração Ventania - Carlos Colman - com Bando do Velho Jack e Lenilde Ramos
03) Flor Matogrossense - Anacleto Rosas Júnior - com Beth e Betinha, Maria Cláudia e Maria Alice
04) Flor do Limo - Paulo Gê - com Antônio Porto e Clarice Maciel
05) Doma - Almir Sater e Zé Gomes - com Rodrigo Sater e Gabriel Sater
06) Polca Outra Vez - Geraldo Roca - com Jerry Espíndola e Karina Marques
07) Lá Vem Você de Novo - Geraldo Espíndola e Paulo Simões - com Geraldo Roca e Márcio de Camilo
08) Conversas e Promessas - Márcio de Camilo e Rodrigo Sater - com Paulo Simões e Melissa Azevedo
09) Recuerdos de Ypacarai - Zulema de Mirkin e Demetrio Ortiz - com Amambai e Amambaí, e João Fígar
10) Linda - Brancão - com Marcelo Loureiro e Elinho do Bandoneon
11) Piraretã - Celito Espíndola e Tetê Espíndola - com Guilherme Rondon e Gilson Espíndola
12) Overdose - Alzira Espíndola e Alice Ruiz - com Juci Ibanez e Bêbados Habilidosos
13) Solidão - João Fígar - com Carlos Colman e Filho dos Livres
14) Colisão - Jerry Espíndola e Ciro Pinheiro - com Alzira Espíndola e Rodrigo Teixeira

 

GABRIEL SATER - INSTRUMENTAL - 2006
01) Turuniño - Gabriel Sater
02) Amores para Vida Inteira - Gabriel Sater
03) Jha Che Valle - Agustin Barrios Mangoré
04) Vazante Correntina - Jairo Lara
05) Arabescos - Agustin Barrios Mangoré
06) Choro Pantaneiro - Jobim Lima
07) Tangateiro - Adriano Magoo
08) Mandruvá - Gabriel Sater e Jairo Lara
09) Envido - Rodrigo Sater

A ESSÊNCIA DO AMANHECER - 2009 - FUNARTE
01) Sonhos de Aço - Gabriel Sater e Chico Teixeira
02) Recuerdos - Gabriel Sater
03) Luz do Querer - Fernando D'Andrea
04) Em Cada Diferença - Gabriel Sater e Denis Giovani
05) Além das Fronteiras - Gabriel Sater e Daniel Rondon
06) Canção de Amor ao Fogo - Gabriel Sater e Leo Cavallini
07) Suíte: Inesquecíveis Canções Parte I - Gabriel Sater e Fernando D'Andrea
08) Suíte: Inesquecíveis Canções Parte II - Gabriel Sater e Fernando D'Andrea
09) Chuvas de Janeiro - Gabriel Sater e Fernando D'Andrea
10) Levemente Distantes - Gabriel Sater e Fernando D'Andrea
11) Corixo Vermelho - Gabriel Sater e Daniel Rondon
12) Nos Dias Atuais - Gabriel Sater e Paulo Simões

 

INDOMÁVEL - 2014
01) Nas Montanhas de Minas -
02) Boca do Mato - Participação Especial de Almir Sater
03) Agridoce -
04) Quero ou Não Quero -
05) Aonde Você For -
06) Vida Bela Vida -
Participação Especial de Fernando Anitelli
07) Cabelos de Fogo -
08) Condor Peregrino -
Participação Especial de Tadeu Franco e João Gaspar
09) Ciranda -
10) Lembranças Demais -
Participação Especial de Luiz Carlos Sá e Neymar Dias
11) Um Novo Amanhã Agora - Participação Especial de Gisele Sater e Negão dos Santos
12) Meu Lugar -
13) Indomável -

 

MÚSICAS

 

 

VÍDEOS

 

Gabriel Sater interpretando "Quero ou Não Quero"

Gabriel Sater interpretando "Embora"

Gabriel Sater interpretando "Corumbá"

Gabriel Sater interpretando "A Saudade é uma Estrada Longa"

Gabriel Sater interpretando "Tem que Ter Coragem"

Almir Sater e Gabriel Sater interpretando "Milhões de Estrelas"

Gabriel Sater interpretando "Além das Fronteiras"

Gabriel Sater interpretando "Luz do Querer"

Gabriel Sater interpretando "Turuniño"

 

FOTOS

 

Visual LightBox Gallery generated by VisualLightBox.com
Gabriel Sater - 001 Gabriel Sater - 002 Gabriel Sater - 003 Gabriel Sater - 004 Gabriel Sater - 005 Gabriel Sater - 006 Gabriel Sater - 007 Gabriel Sater - 008 Gabriel Sater - 009 Gabriel Sater - 010 Gabriel Sater - 011 Gabriel Sater - 012 Gabriel Sater - 013 Gabriel Sater - 014 Gabriel Sater - 015 Gabriel Sater - 016 Gabriel Sater - 017 Gabriel Sater - 018 Gabriel Sater - 019 Gabriel Sater - 020 Gabriel Sater - 021 Gabriel Sater - 022 Gabriel Sater - 023 Gabriel Sater - 024 Gabriel Sater - 025 Gabriel Sater - 026 Gabriel Sater - 027 Gabriel Sater - 028 Gabriel Sater - 029 Gabriel Sater com Inezita Barroso Gabriel Sater e Sandra Cristina Peripato Gabriel Sater no Programa Viola Minha Viola Inezita Barroso, Almir Sater, Gabriel Sater e Rodrigo Sater Almir Sater e Gabriel Sater Gabriel e Almir Sater visual lightbox for MACby VisualLightBox.com v6.1